05 Jun

“B” de Blindagem

Lembra daquela música do Paulinho da Viola, Pecado Capital? Que diz que o “dinheiro na mão é vendaval, na vida de um sonhador”?

Pois é, todos nós somos, de uma forma ou de outra, sonhadores.

Mas acredito nos sonhos, eles são a força motriz dos projetos de longo prazo.

Seguir o nosso planejamento financeiro com disciplina, paciência e com metas claras, dentro da nossa realidade, é o caminho que viabiliza os nossos sonhos.

Por isso, é fundamental adotarmos a estratégia da BLINDAGEM para os nossos investimentos de caráter PREVIDENCIÁRIO.

O primeiro passo para isso é criar um FUNDO RESERVA, cujo principal objetivo é dar liquidez às suas necessidades mais imediatas e evitar vender ATIVOS por necessidade.

O segundo passo é iniciar sua carteira com ativos de Renda Fixa com prazo de vencimento maior (acima de 6 meses) a fim de minimizar a carga tributária e maximizar retornos.

Só depois de lançar a base fundamental da sua carteira em ativos de Renda Fixa você estará pronto para investir em ativos de Longo Prazo, como Fundos Multimercados e/ou ações de grandes empresas.

Por exemplo, se alguém tem 300 mil e deseja separar 10% para um Fundo Reserva (30 mil), metade da carteira em Renda Fixa (150 mil), 30% em Fundos Multimercados em busca de retornos acima do CDI, tipo CDI + 2% ou 3%, e o restante 10% em ações.

Assim, caso seja necessário fazer algum tipo de resgate, o investidor pode recorrer ao seu FUNDO RESERVA, sem precisar se desfazer das suas cotas de um Fundo de Investimento e/ou vender ações da sua empresa favorita.

Essa estratégia, que chamo de BLINDAGEM, proporciona a proteção necessária para os seus ATIVOS de LONGO PRAZO e permite que o tempo aja em seu favor enquanto você constrói uma “máquina geradora de CAIXA”.